segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Normalidade absoluta.

Houve de tudo: assembleias de voto fechadas a cadeado, outras embrulhadas em dísticos e cartazes, outras com manifestantes (e até um boi e uma vaca) à porta, as que não abriram, as que abriram horas depois da hora de abertura, as que abriram mas onde os eleitores não apareceram, as que abriram e onde os eleitores apareceram mas não puderam votar.


E por todos os motivos: por não haver posto de saúde, por não haver casa mortuária, por os telemóveis não terem rede, por o metro prometido ter ficado no papel, por ninguém se ter lembrado de levar computadores para ler os cartões do cidadão; ou contra isto e contra aquilo: a câmara, o Governo, a Unicer...

De Norte a Sul e de Leste a Oeste do país (e do Mundo): de Pedras Salgadas à Fuseta, da Trofa à Lousã e a Serpins, do Granho à Gralheira, de Enxabarba (Fundão) a Genebra (Suíça) e a Moscovo (Rússia). E se, em Cedofeita, eleitores que votavam na Escola Rodrigues de Freitas só tiveram que atravessar a rua para saberem na Junta os novos números de eleitor e voltar a atravessá-la para votarem, em Moscovo, onde não houve gente para formar a mesa de voto, quem quis votar foi aconselhado a meter-se num avião e a ir fazê-lo a Helsínquia...

Fora isso, tudo correu com "normalidade" absoluta: menos de metade dos portugueses quis e conseguiu votar e elegeu um presidente da República pela confortável maioria absoluta de... um quarto do total de eleitores.


por Manuel António Pina, JN, Jan 2011

Enviar um comentário

Publicação em destaque

Marionetas russas

por Serge Halimi A 9 de Fevereiro de 1950, no auge da Guerra Fria, um senador republicano ainda desconhecido exclama o seguinte: «Tenh...