quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Eles provocam a guerra nuclear através dos media


por John Pilger 
 
Slobodan Milosevic. A absolvição de um homem acusado do pior dos crimes, o genocídio, não provocou manchetes. Nem a BBC nem a CNN cobriram isto. Só o Guardian permitiu um breve comentário. Uma tão rara confissão oficial foi enterrada ou ocultada, compreensivelmente. Ela explicaria demasiado acerca do modo como os dominadores do mundo governam.

O Tribunal Penal Internacional para a antiga Jugoslávia (ICTY, na sigla em inglês), em Haia, silenciosamente absolveu o falecido presidente sérvio, Slobodan Milosevic, de crimes de guerra cometidos durante a guerra da Bósnia de 1992-95, incluindo o massacre de Srebrenica.

Longe de conspirar com o condenado líder bósnio-sérvio Radovan Karadzic, Milosevic realmente "condenou a limpeza étnica", opôs-se a Karadzic e tentou impedir a guerra que desmembrou a Jugoslávia. Enterrada no fim de uma sentença de 2.590 páginas sobre Karadzic, em Fevereiro último, esta verdade mais uma vez demole a propaganda que em 1999 justificou a carnificina ilegal da NATO na Sérvia.

Milosevic morreu de um ataque de coração em 2006, sozinho na sua cela em Haia, durante a uma farsa de julgamento inventado por um "tribunal internacional" americano. Recusada a cirurgia que poderia ter salvo sua vida, a sua condição de saúde agravou-se e foi monitorada e mantida secreta por responsáveis dos EUA, como revelou a WikiLeaks.

Milosevic foi a vítima da propaganda de guerra que hoje flui como uma torrente através dos nossos écrans e jornais e acena com grandes perigos para todos nós. Ele foi o protótipo do demónio, vilipendiado pelos media ocidentais como o "carniceiro dos Balcãs" responsável por "genocídios", especialmente na província jugoslava secessionista do Kosovo. O primeiro-ministro Tony Blair disse isso, mencionou o Holocausto e exigiu acção contra "este novo Hitler". David Scheffer, o embaixador itinerante dos EUA para crimes de guerra (sic), declarou que até "225 mil albaneses étnicos entre 14 e 59 anos" podiam ter sido assassinados pelas forças de Milosevic.

Esta foi a justificação para o bombardeamento da NATO, liderado por Bill Clinton e Blair, que matou centenas de civis em hospitais, escolas, igrejas, parques e estúdios de televisão e destruiu infraestrutura económica Sérvia. Isto foi descaradamente ideológico. Na notória "conferência de paz" em Rambouillet, em França, Milosevic foi confrontado por Madeleine Albright, a secretária de Estado dos EUA, a mesma que atingiu a infâmia com a sua observação de que a morte de meio milhão de crianças iraquianas "valeu a pena".

Albright fez a Milosevic uma "oferta" que nenhum líder nacional poderia aceitar. A menos que concordasse com a ocupação militar estrangeira do seu país, com as forças ocupantes "isentas de processo legal" e com a imposição de um "mercado livre" neoliberal, a Sérvia seria bombardeada. Isto estava contido num "Apêndice B", o qual os media deixaram de ler ou ocultaram. O objectivo era esmagar o último estado "socialista" independente da Europa.

Uma vez começado o bombardeamento da NATO houve uma debandada de refugiados kosovares "a fugirem de um holocausto". Quando acabado, equipes internacionais de polícia baixaram ao Kosovo para exumar as vítimas do "holocausto". O FBI não conseguiu encontrar uma única sepultura em massa e voltou para casa. A equipe espanhola de perícia forense fez o mesmo, o seu líder colericamente denunciou "uma pirueta semântica da máquinas de propaganda de guerra". A contagem final dos mortos no Kosovo foi de 2.788. Isto incluía combatentes de ambos os lados e sérvios e ciganos assassinado pela Frente de Libertação do Kosovo, pró NATO. Não houve genocídio. O ataque da NATO foi tanto uma fraude como um crime de guerra.

Poucos dos louvados mísseis "de precisão" da América atingiram alvos militares. Atingiram, sim, alvos civis – incluindo os estúdios de noticiários da Rádio Televisão Sérvia em Belgrado. Dezasseis pessoas foram mortas, incluindo operadores de câmara, produtores e maquiladores. Blair descreveu as mortes, grosseiramente, como parte do "comando e controle" da Sérvia. Em 2008, a promotora do Tribunal Penal Internacional para a Antiga Jugoslávia, Cala Del Ponte, revelou que fora pressionada a não investigar crimes da NATO.

Este foi o modelo para as invasões seguintes de Washington ao Afeganistão, Iraque, Líbia e, furtivamente, a Síria. Todas qualificam-se como "crimes supremos" sob o padrão de Nuremberga; todas dependeram da propaganda dos media. Enquanto o jornalismo tablóide desempenhou a sua parte tradicional, o jornalismo sério, crível e muitas vezes liberal foi o mais eficaz – a promoção evangélica de Blair e suas guerras pelo Guardian, as mentiras incessantes acerca das não existentes armas de destruição em massa de Saddam Hussein no Observer e no New York Times, e o indefectível bater de tambores com propaganda governamental por parte da BBC em meio ao silêncio das suas omissões.

Na altura do bombardeamento, Kirsty Wark, da BBC, entrevistou o general Wesley Clark, o comandante da NATO. A cidade sérvia de Nis acabara de ser pulverizada com bombas cluster americanas, matando mulheres, idosos e crianças num mercado ao ar livre e num hospital. Wark não perguntou uma única questão acerca disto, ou acerca de quaisquer outras mortes civis. Outros foram mais ousados. Em Fevereiro de 2003, no dia seguinte após Blair e Bush terem ateado fogo ao Iraque, o editor político da BBC, Andrew Marr, substituiu-se à Downing Street e fez o equivalente a um discurso de vitória. Excitadamente ele contou ao seu público que Blair havia "dito que seria capaz de tomar Bagdad sem um banho de sangue e que no fim os iraquianos estariam a celebrar. E sobre estes dois pontos ele se havia provado conclusivamente correcto". Hoje, com um milhão de mortos e uma sociedade em ruínas, as entrevistas de Marr na BBC são recomendadas pela embaixada dos EUA em Londres.

Colegas de Marr alinharam-se para proclamar que Blair como "vingado". O correspondente da BBC em Washington, Matt Frei, disse: "Não há dúvida de que o desejo de trazer o bem, trazer os valores americanos para o resto do mundo e especialmente para o Médio Oriente ... está agora cada vez mais ligado ao poder militar".

Esta reverência aos Estados Unidos e seus colaboradores como uma força benigna que "traz o bem" está profundamente entranhada no establishment do jornalismo ocidental. Ela assegura que a culpa pela catástrofe dos dias actuais na Síria é exclusivamente de Bashar al-Assad, a quem o ocidente e Israel há muito conspiram para derrubar, não por quaisquer preocupações humanitárias, mas para consolidar o poder agressivo de Israel na região. As forças jihadistas desencadeadas e armadas pelos EUA, Grã-Bretanha, França, Turquia e seus procuradores da "coligação" servem a este fim. São eles que distribuem a propaganda e os vídeos que se tornam notícias nos EUA e na Europa e que dão acesso a jornalistas que garantam uma "cobertura" unilateral da Síria.

A cidade de Alepo está nos noticiários. A maior parte dos leitores e telespectadores estará inconsciente de que a maioria da população de Alepo vive na parte ocidental da cidade controlada pelo governo. Que eles sofrem bombardeamento de artilharia diário a partir da al-Qaida patrocinada pelo ocidente não está nas notícias. Em 21 de Julho, bombardeiros franceses e americanos atacaram uma aldeia do governo na província de Alepo, matando até 125 civis. Isto foi noticiado na página 22 do Guardian, sem fotografias.

Tendo criado e endossado o jihadismo no Afeganistão na década de 1980 como a Operação Ciclone – uma arma para destruir a União Soviética – os EUA estão a fazer algo semelhante na Síria. Tal como os mujahideen afegãos, os "rebeldes" sírios são soldados de infantaria da América e da Grã-Bretanha. Muitos combatem pela al-Qaida e suas variantes. Alguns, como a Frente Nusra, rebaptizaram-se para cumprir sensibilidades americanas quanto ao 11/Set. A CIA dirige-os, com dificuldade, assim como dirige jihadistas de todo o mundo.

O objectivo imediato é destruir o governo em Damasco, o qual, segundo o inquérito de opinião mais crível (YouGov Siraj), a maioria dos sírios apoias ou pelo menos procura-o para protecção, apesar da barbárie nas suas sombras. O objectivo a longo prazo é negar à Rússia um aliado chave no Médio Oriente como parte de uma guerra da NATO contra a Federação Russa que em algum momento a destrua.

O risco nuclear é óbvio, embora ocultado pelos media por todo "o mundo livre". Os editorialistas do Washington Post, tendo promovido a ficção das ADM no Ira que, pedem que Obama ataque a Síria. Hillary Clinton, que publicamente rejubilou-se pelo seu papel de carrasco durante a destruição da Líbia, indicou reiteradamente que, como presidente, irá "mais além" do que Obama.

Gareth Porter, um jornalista samidzat que informa a partir de Washington, revelou recentemente os nomes daqueles que provavelmente constituirão um gabinete de Clinton, a qual planeia um ataque à Síria. Todos têm histórias beligerantes na guerra fria. O antigo director da CIA, Leon Panetta, diz que "o próximo presidente prepara-se para considerar acrescentar forças especiais adicionais sobre o terreno".

O que é mais notável acerca da propaganda de guerra agora em clímax é seu absurdo e familiaridade patentes. Tenho andado a procurar em arquivos de filmes de Washington da década de 1950 quando diplomatas, funcionários públicos e jornalistas sofreram a caça às feiticeiras e foram arruinados pelo senador Joe McCarthy por desafiar as mentiras e a paranóia acerca da União Soviética e da China. Tal como um tumor ressurgente o culto anti-Rússia retornou.

Na Grã-Bretanha, Luke Harding do Guardian lidera os inimigos da Rússia do seu jornal a um fluxo de paródias jornalísticas que atribuem a Vladimir Putin todas as iniquidades da terra. Quando a fuga dos Panama Papers foi publicada, a primeira página dizia Putin, e havia uma foto dele. Pouco importa que Putin não fosse mencionado em parte alguma dos Panama Papers.

Tal como Milosevic, Putin é o Demónio Númbero Um. Foi Putin que derrubou um avião de carreira da Malásia sobre a Ucrânia. Manchete: "Tanto quanto me preocupa, Putin matou meu filho". Nenhuma prova é exigida. Foi Putin o responsável pelo documentado (e pago) derrube de Washington em 2014 do governo eleito em Kiev. A campanha de terror que se seguiu por milícias fascistas contra a população de língua russa da Ucrânia foi o resultado da "agressão" de Putin. Impedir a Crimeia de se tornar uma base de mísseis da NATO e proteger a maior parte da população russa que votou num referendo par voltar à Rússia – da qual a Crimeia fora anexada – foram mais exemplos da "agressão" de Putin. A difamação pelos media inevitavelmente torna-se guerra pelos media. Se a guerra com a Rússia estalar, por intenção ou por acidente, jornalistas arcarão com grande parte da responsabilidade.

Nos EUA, a campanha anti-russa foi elevada a realidade virtual. O colunista do New York Times Paul Krugman, um economista com Prémio Nobel, chamou Donald Trump de "Candidato siberiano" porque Trump é homem Putin, diz ele. Trump ousou sugerir, num momento de rara lucidez, que guerra com a Rússia pode ser uma ideia má. De facto, ele avançou ainda mais e removeu despachos de armas americanas para a Ucrânia da plataforma republicana. "Isto não seria bom para chegar a um acordo com a Rússia", disse ele.

Eis porque o establishment belicista liberal da América o odeia. O racismo de Trump e as vociferações demagógicas nada tem a ver com isto. O registo de Bill e Hillary Clinton de racismo e extremismo pode ultrapassar o de Trump. (Esta semana é o 20º aniversario da "reforma" da previdência de Clinton que lançou uma guerra aos afro-americanos). Quanto a Obama: enquanto a polícia americana abate a tiros seus companheiro afro-americanos a grande esperança na Casa Branca nada fez para protegê-los, nada para aliviar seu empobrecimento, enquanto dirigia quatro guerras de rapina e uma campanha de assassinatos sem precedente.

A CIA tem pedido que Trump não seja eleito. Generais do Pentágono têm pedido que não seja eleito. O pró guerra New York Times – fazendo uma pausa na sua implacável difamação ordinária de Putin – pede que não seja eleito. Algo se agita. Estes tribunos da "guerra perpétua estão aterrorizados com a perspectiva de que negócios de guerra de muitos milhares de milhões de dólares pelos quais os EUA mantêm a sua dominância sejam minutos se Trump fizer um acordo com Putin, a seguir com Xi Jinping da China. O seu pânico perante a possibilidade de a maior potência do mundo falar de paz – ainda que improvável – seria a mais negra das farsas se as questões em causa não fossem tão terriveis.

"Trump teria amado Stalin!" rugiu o vice-presidente Joe Biden num comício a favor de Hillary Clinton. Com Clinton a anuir, ele gritou: "Nós nunca nos curvamos. Nós nunca nos inclinamos. Nós nunca nos ajoelhamos. Nós nunca nos rendemos. Nós possuímos a linha de chegada. Isso é o que somos. Somos a América!"

Na Grã-Bretanha, Jeremy Corbyn também excitou a histeria dos fautores da guerra no Partido Trabalhista e nos media dedicados a descartá-lo. Lord West, antigo almirante e ministro do Trabalho, disse isso bem. Corbyn estava a adoptar uma "ultrajante" posição anti-guerra "porque consegue que massas irracionais (unthinking) votem por ele".

Num debate com o líder que o desafiava, Owen Smith, o moderador perguntou a Corbyn: "Como actuaria numa violação por Vladimir Putin de um estado companheiro da NATO?" Corby respondeu: "Você desejaria evitar que isso acontecesse em primeiro lugar. Você construiria um bom diálogo com a Rússa... Tentaríamos introduzir uma desmilitarização das fronteiras entre a Rússia, a Ucrânia e os outros países que fazem fronteira com a Europa do Leste. O que não podemos permitir é uma série de calamitosas acumulações de tropas de ambos os lados, as quais só podem levar a um grande perigo".

Pressionado a dizer se autorizaria uma guerra contra a Rússia "se tivesse de fazer", Corbyn replicou: "Não desejo ir à guerra – o que desejo fazer é alcançar um mundo em que não precisemos de ir à guerra".

A linha de questionamento deveu-se muito à ascensão de liberais belicosos na Grã-Bretanha. O Partido Trabalhista e os media há muito que lhes oferecem oportunidades de carreira. Por um momento o tsunami moral do grande crime do Iraque deixou-os em apuros, as suas inversões da verdade num embaraço temporário. Pouco se importante com [o relatório] de Chilcot e a montanha de facto incriminadores, Blair permanece a sua inspiração porque ele foi um "vencedor".

O jornalismo e o mundo académico dissidente tem sido sistematicamente banido ou apropriado e as ideias democráticas esvaziada e repreenchidas com "políticas de identidade" que confundem género com feminismo e ansiedade pública com libertação e deliberadamente ignoram a violência do estado e os lucros com armas que destroem vidas incontáveis em lugares remotos, como o Iémen e a Síria, e acenam à guerra nuclear na Europa e por todo o mundo.

A mobilização de pessoas de todas as idades que cerca a ascensão espectacular de Jeremy Corbyn contrapõe-se a isto em alguma medida. Sua vida foi passada a iluminar o horror da guerra. O problema de Corbyn e seus apoiantes é o Partido Trabalhista. Na América, o problema para os milhares de seguidores de Bernie Sanders era o Partido Democrático, sem mencionar a sua traição final à grande esperança. Nos EUA, lar dos grandes movimentos de direitos civis e anti-guerra, é no Black Lives Matter e nos outros da espécie do Codepink [1] que repousam as raízes das suas versões moderna.

Só um movimento que cresça em todas as ruas e através de fronteiras e não desista pode travar os instigadores da guerra. No próximo ano fará um século desde que Wilfred Owen escreveu este poema. Todo jornalista deveria le-lo e recordá-lo... 

Se pudesse ouvir, a cada tossida, o sangue
Que jorra
destes pulmões envenenados,
Obsceno como o cancro, amargo como o vómito
De úlceras vis e incuráveis sobre línguas inocentes,
Meu amigo, tu não dirias com tamanho entusiasmo
A crianças ansiosas por uma glória desesperada,
A velha mentira: Dulce et decorum est
Pro patria mori. [2]

[1] Movimento de Mulheres para a Paz
[2] Doce e honroso é morrer pela pátria.


Ver também em resistir.info:
  • As estranhas condições da morte de Milosevic , 13/Mar/06
  • Milosevic no tribunal da NATO: quando os criminosos se arvoram em juízes , 03/Mar/06
  • “Bombardeámos o lado errado”, afirma o ex-comandante da NATO no Kosovo , 04/Mai/04
  • Os amantes da guerra , 28/Mar/06

  • Os silêncios de ouro no sistema de propaganda dos EUA , 01/Jun/15

    O original encontra-se em johnpilger.com/articles/provoking-nuclear-war-by-media


    Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
  • Enviar um comentário

    Publicação em destaque

    Marionetas russas

    por Serge Halimi A 9 de Fevereiro de 1950, no auge da Guerra Fria, um senador republicano ainda desconhecido exclama o seguinte: «Tenh...