quarta-feira, 20 de abril de 2011

Nada de novo no horizonte

"... Longe vão os tempos em que as escolhas para deputados eram quase uma festa. Basta recordar quem eram aqueles outros e comparar com estes de agora. As convicções foram substituídas pelos interesses pessoais. O desencantamento, associado à regularidade monótona e funesta da rotina, tem muito a ver com a crença na "legalidade" da tradição, eternamente válida. Ou, pelo menos sem refutação.


Quem selecciona os deputados não somos nós. Aliás, nem sequer sabemos quem são e para aonde vamos. Não lemos os programas dos partidos, e acedemos ao domínio "carismático" dos secretários-gerais ou dos presidentes, submetidos às evidências do poder, numerosas vezes criadas pela comunicação social.

A manipulação declarada ou latente a que somos sujeitos explica e justifica o abandono pessoal ou a fé resoluta com que seguimos o cherne (para lembrar a grande metáfora de O'Neill) e a cegueira política com que votamos naqueles que nos maltratam.

 Reconhecemos, mesmo, como condição irreparável, a existência de um "arco de poder", constituído por dois (ou três) partidos, no qual os outros, embora representando dois ou três milhões de portugueses, não são admitidos. No absurdo desta situação, rigorosamente antidemocrática, assentam os pilares da democracia. Em Portugal e lá fora. Nisso, não somos nada originais.


Somos nós e a nossa circunstância, como ensinou Ortega, ou as circunstâncias podem ser modificadas por nós, como queria Marx? Penso que a renovação ou a alteração da nossa existência social passa pela substituição radical do sistema económico. Este pertence não apenas a estruturas astutamente edificadas, com guardiães ferozes e centuriões espalhados por todos os confins, como às "doenças da crença", o mal maior das nossas servidões."


por Baptista Bastos, DN, Abril 2011
                                        




Enviar um comentário

Publicação em destaque

Marionetas russas

por Serge Halimi A 9 de Fevereiro de 1950, no auge da Guerra Fria, um senador republicano ainda desconhecido exclama o seguinte: «Tenh...