domingo, 10 de abril de 2011

O missil é o melhor amigo do Homem

Guerra? Que guerra?


Ahhh, a Líbia, pois...é que este conflicto está a tornar-se uma espécie de habito. Nos telejornais aparece entre as noticias económicas e o desporto, a altura certa para ir até a cozinha a buscar o queijo.

Porque novidades não há. Que dizer, por haver há: mas são novidades esquisitas.

Não sei se repararam, mas este parece ser o primeiro conflito da história sem vítimas. Os únicos mortos dignos de aparecer nos canais das televisões foram alguns rebeldes atingidos, por engano, pelas forças da Nato.

Outras vitimas? Não há.

Pelo que, surge uma dúvida: mas onde acabam todos os misseis disparados? Provavelmente no deserto. Deve ser isso. Talvez erros de pontaria, se calhar defeitos de fabrico, sem esquecer o calor.
Eis explicada a razão pela qual as forças do Bem não conseguem derrotar Khadafi (que, lembramos, é o Mal).
Na realidade, quem mais está a sofrer nesta guerra são os camelos, que já não sabem abaixo de qual duna ir a esconder-se.

Mas será mesmo assim?

Sabia que...?

Sabia o leitor que com o Mau, Khadafi (cujas culpas estão fora de discussão), o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Líbia, é o maior da África? E que a taxa de alfabetização é superior à da população dos Estados Unidos?

Que os Líbios não morrem de fome, como em Marrocos, Tunísia e Bahrein, e que os salários foram multiplicados por 2 ou 3 enquanto os serviços sociais e médicos foram reforçados?

Sabia o leitor que o Mal (sempre Khadafi) fez uma proposta para instituir uma comissão independente das Nações Unidas para indagar acerca das alegadas violações dos direitos humanos no País?
E que tal proposta, embora apoiada pelos embaixadores de Italia, Hungria, Roménia, Bulgária, Grécia, Holanda, Malta e Chipre, ficou sem respostas? Curioso, não é?
E que por isso Alemanha, Rússia, China, Polónia, Turquia e alguns Países da América Latina (mas não o Brasil) votaram contra a intervenção?
Sabia o leitor que a resolução do Conselho de Segurança a ONU foi aprovado tendo como objectivo a criação duma No Fly Zone mas sem autorizar o bombardeamento de tropas ou cidades líbias?

Não faz mal, pois vimos que afinal os misseis não provocam mortos: mas fica a notícia como simples curiosidade.

Sabia o leitor que só no dia 22 de Março forma lançados 151 mísseis modelo Tomahawk, cada um dos quais custa 1.160 mil Dólares?
E que o preço para estabelecer a dita No Fly Zone estará entre 400 e 800 milhões de Dólares?
E que o preço da manutenção da dita zona será de 100 milhões de Dólares por semana?
E que todo este dinheiro não foi ganho numa lotaria?

Sabia o leitor que os heroicos revoltosos, com sede na Cirenaica, têm objectivos religiosos? E que a mesma região é um dos melhores reservatório árabes de militantes de Al-Qaeda, os quais já combateram (e ainda combatem) a invasão do Iraque por parte do Estados Unidos?

Sabia o leitor que Khadafi (o Mal!) foi acusado de massacres de civis (tal como Milosevic no passado), mas, apesar dos refinados meios tecnológicos, não existe um só imagem de tais acontecimentos, nem um indício, nem uma fotografia de satelite, nada de nada?

A tal propósito, a explicação mais lógica é de Khadafi ter utilizado para o fim as armas de destruição maciça antes na posse de Saddam Hussein.

Sabia o leitor que, após a saída das forças americanas, as forças da Nato não têm aviões suficientes?

Actualmente resultam empenhados 30 caças franceses (que, todavia, operam por conta própria, sem uma real coordenação com as restantes forças), 17 aviões ingleses (mas nem todos de ataque) mais alguns aparelhos da Bélgica, da Dinamarca, do Canada, e da Noruega, que conduzem operações contra objectivos em terra e não simplesmente para manter uma No Fly Zone?

Sabia o leitor que a Nato justifica o insucesso com o facto das forças de Khadafi (o Mal absoluto) utilizar escudos humanos (que todavia ninguém consegue fotografar ou filmar), esconder os tanques nas cidades (uma superfina táctica revolucionária) e transportar os meio antiaéreos com simples tractores agrícolas (!!!)?

Contra forças assim, nunca poderão existir exércitos suficientes.

Só como curiosidade, e para que o leitor não tente ver nisso uma possível razão da guerra, os planos do Mal (sempre ele, Khadafi) previam a nacionalização das companhias petrolíferas que operam no País, tal como Shell, BP, ExxonMobil, Hess Corp., Marathon Oil, Occidental Petroleum, ConocoPhillips, Repsol, Wintershall, OMV, Statoil, ENI e Petro-Canada.

Um operação, esta, que teria fornecido uma entrada de 5.400 mil milhões de Dólares.

Tudo isso seria muito triste se o resultado tivesse sido uma guerra convencional, com mortos e feridos até entre os civis.

Mas tal não acontece e por uma razão muito simples: nós somos o Bem.

Sempre.



Enviar um comentário

Publicação em destaque

Marionetas russas

por Serge Halimi A 9 de Fevereiro de 1950, no auge da Guerra Fria, um senador republicano ainda desconhecido exclama o seguinte: «Tenh...