sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

O homem certo no lugar certo

Os portugueses podem dormir descansados. O presidente do grupo de trabalho para a comissão que irá fiscalizar as contas públicas é o mesmo que, como presidente do Conselho Fiscal do BPP, certificou durante 10 anos e "tranquilo de consciência" (é o próprio quem o diz), as contas furadas daquele banco, validando "a regularidade dos seus registos contabilísticos"... de onde desapareceram mais de 1,2 mil milhões de euros dos clientes.


Ninguém duvida que foi pela competência demonstrada e não pelo cartão partidário que o PSD o indicou como pessoa certa para definir os critérios de fiscalização das contas do Estado (coisa que muito preocupa o PSD).

Dirá o PSD que, até ver, o homem não foi constituído criminalmente arguido (embora seja réu em vários processos postos pelos clientes defraudados do BPP). E confiará na sua "tranquilidade de consciência". Não será o caso, mas talvez o PSD devesse cuidar que, às vezes, a melhor forma de manter a consciência limpa é não lhe dar uso.


por Manuel António Pina, JN Janeiro 2011
Enviar um comentário

Publicação em destaque

Marionetas russas

por Serge Halimi A 9 de Fevereiro de 1950, no auge da Guerra Fria, um senador republicano ainda desconhecido exclama o seguinte: «Tenh...